Bem Mais Perto – Susane Colasanti

Bem-Mais-Perto

Se você estiver esperando por uma história fascinante, daquelas que prendem a atenção, com grandes momentos, esqueça. “Bem Mais Perto” definitivamente não é assim. Não chega a ser totalmente ruim, mas está longe de ser bom.

A personagem principal – Brooke – é uma adolescente de Nova Jersey que sonha em morar em Nova York, mas só decide colocar esse plano em prática no momento em que descobre que Scott, o garoto por quem é apaixonada há dois anos, está de mudança marcada para a Big Apple. Isso, por si só, já me deixou meio “ah, sério?”. Afinal, mudar toda a vida – deixar mãe, amigos, escola para trás – por causa de um garoto que sequer sabia que ela existia é um pouco demais para minha cabeça. Adolescente meio impulsiva e babaca, sabe? Mas ok, era necessário um “empurrãozinho” para que as coisas começassem a acontecer.

Já em NY, ela acaba se aproximando de Scott e ambos ficam amigos (para que isso acontecesse, Brooke agiu – a meu ver – como uma maníaca: fez mil pesquisas sobre a região onde ele moraria, onde possivelmente estudaria, passou a perambular pela rua onde ele mora para descobrir onde era sua casa…). Depois de um tempo, até consegue conquistar o garoto (de uma maneira pouco convincente, quase como um passe de mágica), mas as coisas não são exatamente como ela idealizou.

Enquanto a história dos dois se desenrola, outros personagens – raríssimos, a propósito – começam a fazer parte da nova vida de Brooke, como a nova amiga, Sadie, e John, a quem dá monitoria na escola e que acaba se apaixonando por ela. John, a propósito, me pareceu ser o personagem mais interessante do livro, com sua dificuldade de colocar suas ideias no papel e sua capacidade de verdadeiramente observar o mundo, sempre enxergando alguma novidade. Acredito que ele poderia ter sido muito mais bem explorado na história, assim como o motivo que o levou a se apaixonar por uma menina tão insossa quanto Brooke.

Ao longo do terceiro ano, Brooke tem ainda a “missão” de descobrir o que pretende fazer da vida, uma vez que o período de inscrição para as faculdades já está próximo. Só que ela não faz a menor ideia do que gosta, não sente afinidade por nada. Enfim, é uma garota meio desorientada. E, nesse ponto, acho que a autora pecou bastante. Apesar de mostrar, no início do livro, uma garota com coragem suficiente para dar uma virada em sua vida e seguir seu “grande amor” (ok, dramatizei para dar um pouco de ‘grandiosidade’ ao ato da menina), no decorrer da história Susane Colasanti passou a retratar Brooke como uma adolescente irresponsável, totalmente sem objetivos (sua única vontade é conquistar Scott, mas e ela? Não deseja nada além de um garoto em sua vida? Sério?). Decepcionante.

Apesar de Brooke não ter caído muito no meu agrado, é inegável que ela passa por um processo de amadurecimento durante a história. Ainda bem. Com o tempo, e com a ajuda dos novos amigos, a garota consegue decidir o que quer fazer da vida, encontra algo que verdadeiramente a agrade, percebe que merece mais do que um garoto bonitinho em sua vida…

Mesmo sendo visível esse crescimento da personagem, o “conjunto da obra” continua sendo fraquinho, com trechos estranhos, como se estivessem faltando alguns detalhes ou explicações.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s