Filosofia do Sucesso

Se você pensa que é um derrotado,
você será derrotado.
Se não pensar “quero a qualquer custo!”
Não conseguirá nada.
Mesmo que você queira vencer,
mas pensa que não vai conseguir,
a vitória não sorrirá para você.

Se você fizer as coisas pela metade,
você será fracassado.
Nós descobrimos neste mundo
que o sucesso começa pela intenção da gente
e tudo se determina pelo nosso espírito.

Se você pensa que é um malogrado,
você se torna como tal.
Se almeja atingir uma posição mais elevada,
deve, antes de obter a vitória,
dotar-se da convicção de que
conseguirá infalivelmente.

A luta pela vida nem sempre é vantajosa
aos fortes nem aos espertos.
Mais cedo ou mais tarde, quem cativa a vitória
é aquele que crê plenamente
Eu conseguirei!

Anúncios

Ciclos…

A vida é feita de ciclos. Começos, meios e fins. Recomeços, meios e outros fins. Etapas que podem ser curtas, médias ou longas – não importa. O fato é que, uma hora ou outra, esses ciclos se encerraram. Alguns abrem espaço para novos ciclos, novas experiências, novas oportunidades; outros simplesmente findam, simples assim. C’est fini.

Sempre tive grande dificuldade para lidar com essas rupturas, com as mudanças impostas pela vida, com seus altos e baixos e constantes variações de humor. Já enfrentei muitos finais de ciclos, mas, por vezes, eles ocorreram contra a minha vontade, sem que eu tivesse agido para isso; apenas reagi ao que estava acontecendo, em uma tentativa de sobreviver ao caos que alguns desses fins de ciclos provocaram.

Agora, cada vez mais próxima de iniciar um novo ciclo da minha vida – meu trigésimo sexto… – talvez eu esteja me sentindo mais à vontade, mais madura, mais confiante em dar um passo em direção ao término de um ciclo – em especial – que, há dez anos, completados este ano, tem se estendido para além do necessário. Foi uma fase importante, sem dúvida, em que aprendi muita coisa bacana e que, também, me auxiliou em períodos turbulentos, mas que, agora, está na hora de ser concluído e deixado para trás. Não há mais nada a me acrescentar. Então, melhor encerrar por aqui e preservar as boas memórias, certo?

Seneca

Como se apaixonar – Cecelia Ahern

imagesDepois de não conseguir evitar que um homem acabasse com a própria vida, Christine Rose passou a refletir sobre o quanto é importante ser feliz. Por isso, ela desiste de seu casamento sem amor e aplica as técnicas aprendidas em livros de autoajuda para viver melhor. Adam Basil não está em um momento muito bom, e a única saída que ele encontra para a solução de seus problemas é acabar com sua vida. Mas, para a sorte de Adam, Christine aparece para transformar sua existência, ou pelo menos tentar ajudá-lo. Ela tem duas semanas para fazer com que Adam reveja seus conceitos de felicidade. Será que ele vai voltar a se apaixonar pela própria vida?

Uma leitura leve, suave e despretensiosa (apesar de ter suicídio como um dos temas principais), como tudo o que a Cecelia Ahern escreve. Quem já leu ou assistiu Simplesmente Acontece ou PS: Eu te amo sabe do que estou falando. ❤

Não vou entrar em detalhes sobre a obra, porque já está cheio de resenhas pela internet. Mas achei interessante – e isso foi o que mais me marcou – a minha semelhança com a Christine em relação à necessidade de consertar as coisas, de resolver os problemas – e as complicações que isso pode trazer à nossa vida… – e com a Amelia (amiga da Christine) e sua relação com a mãe – no meu caso, os pais. Serviu para me fazer pensar sobre algumas coisas, me ajudou a refletir sobre a necessidade de algumas mudanças e ajustes na vida. Engraçado notar como a brincadeira que a autora fazer com os livros de autoajuda – “Como fazer X em oito passos”, “Como conseguir X em 35 passos” – acabou transformando esse livro em uma espécie de ajuda para mim, ao mostrar um pouco de mim em outras pessoas…

Leitura recomendada para quem curte livros chick-lit.

 

Desaforo

Acho um “desaforo” eu ter tantas dúvidas, tantas perguntas, tantos pensamentos estranhos e confusos, tantas ideias, tantas crises, tantas neuras, tantas inseguranças e incertezas, tantos medos, tantas frustrações, tantos sonhos, tantas preocupações… e não ter ninguém – NINGUÉM – para me explicar o que tudo isso significa, ninguém para me ajudar a entender e enfrentar essas coisas. Porque sozinha, às vezes, isso tudo é sufocante e desolador, é desesperador. 

Sometimes I feel…

Acordei com Under the bridge na cabeça e pensando sobre como esta letra – ou, ao menos, parte dela – e o sentimento que ela retrata são recorrentes por aqui. 

Sometimes I feel like I don’t have a partnerSometimes I feel like my only friend

Como é possível viver em uma cidade como São Paulo, em contato permanente com tantas pessoas e, ainda assim, conseguir se sentir só, sem ter com quem contar? Como é possível passar por uma vida inteira, conhecendo gente aqui e ali, e ter a sensação de que se é alguém avulso no mundo? 

Love, Rosie

love-rosie.gif

You need someone who can help you reach your dreams and who can protect you from your fears. You need someone who will treat you with respect, love every part of you, especially your flaws. You should be with someone who can make you happy, really happy, dancing-on-air happy.

Love, Rosie (2014)

Sinais

Existe algum sinal, algum sintoma, qualquer coisa que sirva como indicação concreta de que uma pessoa está chegando ou já chegou ao seu limite? Dor no peito? Vontade persistente de chorar? Desejo de não sair da cama ou não ouvir a voz de ninguém? Reação exagerada a uma situação de estresse? Sensação de irritação por tudo e por nada? Dores pelo corpo sem motivo aparente? Insônia ou excesso de sono? Vontade de largar tudo? Como saber se chegamos a esse limite?